Foto: AEN/Pr

Primeira Dama de Matinhos Constance Freire Reichert, participa do lançamento da campanha "Você Pode Mais"


28/11/2017 00:55:49 - O evento aconteceu na manhã desta segunda-feira, (27) no salão do Palácio Iguaçu, em Curitiba. Matinhos será um dos 15 municípios paranaenses que receberá o dispositivo de segurança preventiva a ser usado por mulheres sob medida protetiva judicial.


A primeira dama de Matinhos representou o município no lançamento da Campanha "Você Pode Mais" que aborda direitos, autoestima e liberdade das mulheres, mostrando que pequenos gestos ou palavras podem se caracterizar como violência. "As depreciações e humilhações cotidianas, seja por a mulher emitir uma opinião ou mesmo pelas roupas que usa, minam a autoestima feminina . Essa situação já é de violência e pode evoluir para agressões mais sérias", explicou Ana Cláudia Machado, coordenadora estadual da Política da Mulher, da Secretaria da Família e Desenvolvimento Social.

A secretária da Família, Fernanda Richa, explicou que muitas mulheres só buscam auxílio quando a situação já evoluiu para agressão física, mas a violência começa antes e nas pequenas e sutis atitudes. "Elevar a autoestima da mulher é fundamental para que ela identifique os abusos socialmente invisíveis e consiga mudar sua vida, sem medo, antes de ter sua integridade comprometida", comentou a secretária.

Para a primeira dama Constance Freire Reichert, a inclusão do município de Matinhos para receber o botão do pânico (dispositivo de segurança preventiva) é mais um passo importante para o combate da violência contra a mulher. "Essa é uma luta de todas as mulheres. Todas nós temos que ser vigilantes e denunciar essas agressões, para que assim, possamos combater essa violência, muitas vezes sofrida em silêncio", declarou Constance. A campanha questiona essa cultura que silencia, desvaloriza a mulher e atinge todas as camadas sociais da sociedade, independente da condição financeira

Segundo a coordenadora Ana Claudia Machado, apesar de a maioria dos casos ter relação com o companheiro, a campanha não se limita ao contexto doméstico. As situações abordadas podem ocorrer em qualquer ambiente e em qualquer nível de relacionamento com o agressor.

A CAMPANHA - No filme da campanha, mulheres de vários perfis criam empatia ao explicar que as violências sutis não são normais. Estimula as mulheres a não aceitarem essas situações, sem vitimização, mas com atitude e confiança. Dessa forma, busca-se sensibilizar não só quem sofre violência, mas também a família e a sociedade, incluindo os agressores. "Com a disseminação de informação, formamos uma rede de observação contra a violência, aumentando a proteção à mulher", comentou Ana Cláudia.
Os filmes serão divulgados pela televisão e por redes sociais para ampliar o alcance da campanha e unir as mulheres na cultura contra a violência. "A internet atravessa fronteiras e as peças produzidas podem ser enviadas por qualquer dispositivo móvel", explicou Ana Cláudia.

AENotícias